quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Scorpions - Lonesome Crow(1972)

A banda Scorpions era formada na época por: Klaus Meine(vocalista), Rudolf Schenker e Michael Schenker(guitarristas), Lothar Heimberg(baixista e backing vocals) e Wolfgang Dziony(baterista). Todos os instrumentistas também participavam nos backing vocals. O disco de estréia dessa banda alemã que surgiu em 1965 foi lançado em 1972. Lonesome Crow é definitivamente uma obra rock progressivo de qualidade. Começa com "I'm going mad" que tem um groove bem legal, bom backing vocal, bom uso do eco. A parte instrumental é ótima, destaque para a guitarra. Percussão bem interessante. Nela Klaus Meine canta sobre um homem enlouquecendo ao caminhar pelo deserto.
"It all depends" é mais animada que a anterior. A letra é bem simples mas é a parte menos importante, o foco cai mesmo sobre a parte instrumental muito bem executada. Canta sobre a convivência de um casal e o custo financeiro decorrente para o homem apesar de ele não se importar.
"Leave me" começa misteriosa com o som de vento e um barulho bem estranho e agudo que não sei bem o que é. Entram guitarra e baixo lentamente, e num ritmo tranquilo, "papapa papaaa" nos vocais de apoio, o vocalista canta para que uma mulher o deixe. Depois da segunda estrofe entra uma parte instrumental com um belo solo de guitarra, acompanhado por um bom baixo, e aquele som agudo irritante presente desde o começo. O final é bem intenso.
A quarta faixa é bem calma. "In search of peace of mind" é linda e doce e fala sobre um lugar imaginário para onde o eu-lírico "foge" quando se sente triste e sozinho. Mais ou menos no meio tem uma parte mais sombria, que cai para um certo desespero. A melodia dá um tom bem adequado a essa emoção passada de querer de qualquer forma conseguir a paz de espírito. Termina com fade-out.
"Inheritance" está entre as melhores a meu ver. Pelo título pode-se ver que é uma música sobre herança. Fala sobre dinheiro e as emoções que ele passa. A parte instrumental é simplesmente genial, com destaque para guitarra e baixo, a bateria não fica muito atrás. Em 2:22 temos uma seqüência de frases bem interessantes. Pouco após a música diminui de intensidade e a letra passa a falar de dívidas. Cresce novamente após a 4a estrofe.





"Test the mend, devil mend
Bloody money when it's lent
Scum repair everywhere
They want money, oh"
Trecho da letra de Inheritance 



"Action" está entre as mais curtas do álbum mas não fica muito atrás em qualidade. Começa bem com baixo e bateria acompanhados pelas guitarras. A letra fala sobre a falta que o eu-lírico sentirá da sua vida atrás do volante. Ela tem uma dinâmica bem interessante.
Encerram o disco com a faixa-título. Talvez a mais psicodélica e complexa com duração de 13 minutos e trinta e um segundos. Admito que não entendo muito bem o que a letra quer dizer. Fala sobre a passagem do tempo, mensiona o Corvo Solitário(Lonesome Crow), indaga sobre de onde eles são e seus pensamentos(não é claro sobre quem se está falando). A parte instrumental é simplesmente a melhor do disco, todos os instrumentistas atuam bem nessa música épica. Poderia escrever parágrafos e parágrafos aqui e não chegaria nem perto da experiência que é ouví-la. É facilmente uma viagem musical. Segue um vídeo com ela abaixo.




Se acharem esse disco e gostarem do gênero recomendem que o comprem, é na minha humilde opinião, um dos melhores que já tive o prazer ouvir.

All delighted People(Classic Rock version)

Post rápido para compartilhar esta bela canção. O EP todo, com o mesmo título é bom.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Vídeo - Gameplay Cartlife(Melanie)

Segue abaixo um gameplay que gravei do jogo cartlife, já resenhado num post anterior, nele é mais fácil ter uma noção de como funciona o jogo.


video

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Resenha: Pullovers - Tudo que eu sempre sonhei.

Pullovers foi uma banda paulista que terminou em 2009 seu último disco foi "Tudo que eu sempre sonhei" e está disponível para download gratuito em seu site.
EDIT: O site deles saiu do ar, restam 6 músicas no Myspace e no last.fm da banda.
1 - Tudo que eu sempre sonhei: Esse vídeo acima é uma versão da faixa homônima que abre o disco, é a minha preferida tem uma letra simplesmente brilhante. Na minha opinião a melhor do disco. A versão de estúdio é melhor e tem mais instrumentos que no vídeo. O cello dá um ar solene e a canção vai crescendo de intensidade.

2- O amor verdadeiro não tem vista para o mar: Balada alegre com letra melosa a letra acompanha. A batida da guitarra é bem legal. Aparece o primeiro solo de guitarra do CD, razoável.

3- 1932(C.P.) - Música do compacto que eles lançaram. É alegre colorida e bem arranjada. Tema recorrente nas letras é um romance entre um paulista e uma carioca e as diferenças entre as duas cidades.

4-  Marines - Mais calma conta uma história interessante de uma mulher pobre da zona leste de São Paulo com um final bem ruim. Tem um teclado com timbre de xilofone.

5- Lição de casa - Uma das minhas preferidas. Tem uma harmonia mais complexa que o resto. Outro solo de guitarra, melhor que o anterior. Fala sobre um paulista de férias de verão no Rio.

6- Quem me dera houvesse trem - Calma e triste. Não me agradou, bem repetitiva e entediante.

7- Marcelo ou eu traí o rock - Letra boa, melodia interessante. Mais solos de guitarra.

8- Futebol de óculos - Tem riffs interessantes, um rítmo bem diferente do resto.  Fala sobre futebo(duh).

9- Ensaio Pullovers - Não é uma música propriamente dita. Tem 15 segundos. Ritmo bem brasileiro.

10- O que dará o salgueiro? - Faz um jogo de palavras com frutos de árvores e outras palavras. Tem um ar tropical e batida de bossa-nova. Mediana.

11- Semana - Uma das melhores. Fala sobre um casal apaixonado. Tem uma dinâmica bem legal. (pa pararara)

12- Todas as canções são de amor - Linda. Batida de bossa-nova, harmonia legal, boa letra. Fala sobre a onipresença do amor na publicidade e na sociedade. Até procurei cifra pra tocar no violão. Faz intertextualidade com a 2a faixa.

13- Tchau - Simplesmente não gosto. Irritante. A letra se despede dos ouvintes.

Resenha de Cart Life.

Cart Life é definido por seu criador como um simulador de varejo. Ele é muito mais do que isso.



 

Nele pode-se escolher 2 personagens jogáveis(na versão gratuita), cada um com sua história, vantagens e vícios. Temos barras de necessidades que lembram The Sims como sono e comida para todos e algumas específicas para cada vendedor. A grande diferença é que em The Sims só é possível controlar o tempo livre dos Sims, com alguns raros eventos no trabalho. No jogo em questão controlamos o dia inteiro dos protagonistas, inclusive alguns de seus sonhos. O gráfico tem estilo 8 bits e a trilha sonora é em chip-tunes o que combina bem com essa estética. Falarei abaixo sobre o personagem que é mais fácil de não dar spoilers o outro personagem é Melanie uma mãe recém-divorciada que abre uma barraca de café.
 Andrus Poder é um imigrante Ucraniano que quer começar uma vida nova abrindo uma banca de jornal em outra cidade com seu gato Mr. Glembovski. Ele tem ótima ética de trabalho o que significa uma maior carga horária na banca, sente menos fome que os outros e come praticamente qualquer coisa. Contudo, ele é fumante desde criança e frequentemente vai querer um cigarro e começar a tossir o que atrapalha as outras atividades. É importante também se lembrar de comprar comida para o gato e de alimentá-lo.
O objetivo desse jornaleiro é conseguir dinheiro o suficiente para pagar o aluguel do hotel em que se hospedou no começo da semana.  No prólogo ele está num trem traduzindo um poema em sua língua natal para o Inglês para praticar. Depois ele está em frente à banca de jornal que irá comprar, e gasta uma boa grana nisso e na licensa da prefeitura para vender jornal. Aparece então a opção de um tutorial para quem ainda não jogou. Ensina a abrir o menu e o mais importante, definir o preço que irá vender o jornal e como agir numa venda. Após isso Andrus chega num hotel barato e em sua parede tem um grafite escrito "Não se torne o que você odeia", entra na recepção e paga a primeira semana do aluguel.




 A partir de  então é possível jogar livremente.Para se deslocar entre os bairros na cidade é preciso escolhê-los no mapa e um meio de transporte(a pé, de ônibus ou de táxi). Os ônibus só funcionam num determinado horário. Fui para o bairro do supermercado e comprei barras de cereal, leite, cigarros e copos descartáveis. O leite é bom porque é uma comida barata para o gato e pode ser vendido também. Vendi alguns jornais algum leite e voltei para o hotel para dormir. A mecânica de colocar os jornais na banca e da venda é meio tediosa, porém ajuda na imersão. Com o passar da semana você vai aprendendo os nomes dos clientes, seus hábitos, maneirismos e papeia com eles. A rotina é repetitiva, mas eu gostei bastante da história e das músicas. Os sonhos são interessantes, contribuem no desenvolvimento do personagem.

O jogo é gratis e pode ser baixado aqui. Por mais 5 dólares pode-se jogar com um terceiro personagem.



quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Bem vindos!

Olá a todos eu sou o Carlos e este é o primeiro post do Sobre Jogos e Música. Gasto boa parte do meu tempo livre consumindo essas duas mídias e resolvi criar esse site para falar sobre minhas descobertas nesses campos e o que achei delas. Vou tentar atualizar quase todos os dias.
Até a próxima!